Malaak Shabazz, filha de Malcolm X, se assusta com tranquilidade negra ante o genocídio

Autor: Texto e fotos: Frente de Mídias Negras SP Data da postagem: 10:30 23/11/2015 Visualizacões: 1393
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Na companhia dos Rappers Sharilaine, Dexter e Rappin Hood, MalaaK fala para ativistas negros em SP

Ativista Malaak Shabazz participou de conversa com a juventude negra em São Paulo, depois de conhecer bairro periférico

?Em passagem pelo Brasil, a ativista dos direitos humanos e filha do líder negro norte americano Malcolm X, Malaak Shabazz, convidou a população negra a promover ações mais contundentes. Na entrevista que concedeu à imprensa negra após encontro com jovens na cidade de São Paulo, na tarde desta quinta-feira (19), a ativista diz ter se surpreendido pelo fato de as pessoas estarem tão tranqüilas diante da violência racista existente no Brasil.


“[minha mãe] criou seis filhas ao mesmo tempo em que se dedicava à construção de uma sociedade livre do racismo”.

Pelo menos 400 pessoas se aglomeraram no auditório da Galeria Olido, no centro de São Paulo, para ouvir Malaak e, também, dar notícias sobre as condições de vida da população negra. O público era maior, mas muitos ficaram de fora por ordem dos bombeiros. Entre os diversos temas abordados, a ativista norte-americana falou sobre feminismo negro, desigualdade de gênero, representatividade negra na política, governo Obama e também suas impressões sobre o racismo no Brasil e o genocídio afeta sobretudo moradores da periferia.


Na partilha de experiências, Malaak fez análise da conjuntura política e abordou temas que estão presentes tanto na sociedade norte-americana quanto na brasileira, como a repressão policial e a necessidade de articulação entre os movimentos negros.


A ativista compartilhou momentos importantes da biografia de seu pai, mas fez questão de enfatizar o papel da mãe na luta antirracista. A também ativista Dra. Betty Shabbaz, “criou seis filhas ao mesmo tempo em que se dedicava à construção de uma sociedade livre do racismo”. Atuou, sobretudo, na criação de condições para que os jovens negros pudessem ter acesso à educação de forma subsidiada.


Horas antes da palestra, promovida pela Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR), Malaak conheceu o bairro de Cidade Tiradentes, na zona leste paulistana e pode conversar com moradores. Ao final a ativista demonstrou disposição em colaborar com a construção de um seminário internacional sobre o genocídio da população negra nas Américas, proposta pela Uneafro-Brasil.

A TV Drone fez a transmissão ao vivo e a disponibilizou em seu Canal no Youtube (Início a partir do 16.o minuto).

https://www.youtube.com/watch?v=oG4BqA3RNng




Leia também: 

Alto índice de mortes de jovens negros é considerado genocídio

Redução da maioridade penal contribui para o genocídio da juventude negra

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: