Levantamento mostra distribuição da população negra em São Paulo

Autor: Tatiana Santiago, do G1 São Paulo Data da postagem: 13:30 23/12/2015 Visualizacões: 12537
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Levantamento mostra distribuição da população negra em São Paulo (Foto: Caio Kenji/G1)

Levantamento da Secretaria Municipal de Promoção e Igualdade Racial mostra que a população negra está concentrada na periferia de São Paulo. Os bairros do extremo das Zonas Sul e Leste de São Paulo lideram o ranking dos distritos com o maior número de afrodescendentes.

No bairro de Parelheiros, na Zona Sul da capital, o percentual de negros é de 57,1%, enquanto em regiões nobres como no distrito de Pinheiros é de apenas 7,3%. Isso representa 7,8 vezes mais que o percentual do bairro da Zona Oeste da capital.

As informações estarão disponíveis a partir desta quarta-feira (16) em um site da secretaria que traça o perfil da população negra em São Paulo. Os dados são do Censo Demográfico de 2010 de IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estática) de 2010 e indicam que a cidade de São Paulo tinha mais de 11,2 milhões de pessoas, sendo que cerca de 37% (4,1 milhões) se declararam negros (pretos ou pardos).

O bairro do M’Boi Mirim (Zona Sul) é o segundo com a maior concentração de negros na cidade com 56% da população. E o distrito de Vila Mariana é o segundo mais branco, com apenas 7,9% de afrodescendentes.

Os distritos de Cidade Tiradentes e Guaianases, na Zona Leste, aparecem na terceira e quarta posição do ranking, com 55,4% e 54,6% respectivamente. Na sequência aparecem Itaim paulista (54%) e Cidade Ademar (52,1%).

“São informações sobre os afrodescendentes na cidade, onde eles estão distribuídos, em quais regiões, qual a maior densidade, um diagnóstico sobre a presença do negro na cidade de São Paulo”, afirmou o secretário municipal de Promoção e Igualdade Racial, Maurício Pestana.

Nas periferias, a população negra fica longe da maioria das oportunidades de emprego.
De acordo com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, um cidadão negro recebe em São Paulo uma renda média domiciliar 2,5 vezes menor do que de um cidadão branco.

Trabalho

Quando o assunto é emprego formal, os negros ocupam apenas 32,5% das vagas enquanto os brancos ficam com 66,3%. Se focarmos a posição da população negra negro nos cargos de chefia, a diferença é ainda mais discrepante, já que os afrodescendentes ocupam 3% dos cargos de liderança. E mesmo quando exercem as mesmas funções que os brancos e possuem o mesmo nível de escolaridade, os homens negros recebem 31,5%  e as mulheres negras ganham 37,5% menos.

Renda


Quanto maior é a porcentagem de negros, menor é a renda média domiciliar da subprefeitura. Enquanto a subprefeitura de Pinheiros, a mais branca da cidade, possuía uma renda de R$ 17.045,25, na subprefeitura de Parelheiros, o bairro com maior concentração de negros, era de R$ 1.973,84.


Dentro de cada subprefeitura, onde há a mesma oferta de emprego e educação, também existe diferença entre as raças. Em Pinheiros, a renda média do branco é de R$ 17.737,14 e do negro R$ 9.228,74, ou seja, 1,9 vezes menor. Em Parelheiros, o negro ganha 1,2 vezes menos já que recebe uma média de R$ 1.780,76, e o branco, R$ 2.254,87.
A renda média domiciliar de acordo com a cor do responsável pelo lar aponta que a diferença entre negros e brancos é de 2,5 vezes. Nos domicílios chefiados por brancos, a renda média é de R$ 7.095 e entre os domicílios com responsáveis negros a renda é de R$ 2.867,61.

Trabalho

Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego de 2013, as subprefeituras da Sé (18,3%), Vila Mariana (13,6%) e Pinheiros (10%) concentram 42% dos empregos formais da cidade de São Paulo.
Como a população negra está mais concentrada nas periferias, eles ficam mais longe das oportunidades. A população negra tinha 32% dos empregos formais. Apenas 2% dos empregados recebiam mais de dez salários mínimos.
Com exceção da Sé, onde os afrodescendentes correspondem a 20% da população local, as demais subprefeituras apresentam percentuais de população negra inferiores a 10%.
Os negros exerciam ocupações relacionadas ao comércio e serviços (34,6%), serviços administrativos (24,8%) e indústria (23,5%).

Violência

Dados do Programa de Aprimoramento das Informações de Mortalidade no Município de São Paulo (PRO-AIM) indicam que no ano de 2013, 61,5% dos homicídios ocorridos entre pessoas do sexo masculino com faixa etária entre 15 e 29 anos eram de jovens negros, o que indica maior vulnerabilidade desta população.


Site

A Prefeitura de São Paulo disponibiliza a partir desta quarta-feira (16) um site com informações e serviços da população afrodescendente do município. A plataforma eletrônica é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Promoção e Igualdade Racial com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para estimular o desenvolvimento econômico e social dos negros.

Batizado de São Paulo Diverso, o portal trará informações sobre políticas de ações afirmativas nos setores público e privado, desde concursos destinados ao público alvo como a oferta de vagas em empresas que possuem programas sociais. É possível cadastrar o currículo que ficará armazenado em um banco de dados para as empresas acessarem.
Inicialmente, 12 empresas nacionais e multinacionais serão cadastradas no site como: Microsoft, Google, Linkedin, Carrefour, Citibank, Coca-Cola, Itaú Unibanco, Via Brasil, IBM e Grupo Kroton, que reúne instituições de ensino como a Universidade Anhanguera. No futuro, o objetivo da Secretaria de Igualdade Racial é contar com a presença de mais de cem empresas que estão dispostas a permitir a inclusão social dos negros nos seus quadros de funcionários.


Segundo Pestana, o site reunirá em um único espaço as empresas que possuem programas de cotas. “É um site de relacionamento, ou seja, agora eu tenho um local onde eu posso encontrar aonde estão essas políticas”.
Será criado um observatório com dados mais específicos e consolidados que deve ficar pronto no ano que vem. “Queremos criar um observatório para trazer os números da desigualdade no município”, afirmou Pestana.


Foto: Caio Kenji/G1

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: