“O policial que tem orgulho de disparar uma arma está doente”, diz policial-documentarista que está há 15 anos na Polícia Civil

Autor: Helena Borges Data da postagem: 15:00 11/07/2018 Visualizacões: 959
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Beto Chaves durante passeio de balão na África do Sul, onde fez documentário sobre a segregação racial no país (Foto: Leo Santos - Divulgação - Reprodução - Época

Beto Chaves diz que violência do Estado não resolve o problema da segurança e que é preciso aprender com a superação do apartheid na África do Sul

Tive a oportunidade de viajar para a África do Sul em 2013. Sem pensar duas vezes, pedi uma câmera emprestada e chamei uns amigos. Alguns se empolgaram. Um vendeu o carro e veio comigo. Uma amiga já estava lá e fez a pré-produção. De repente, estávamos bolando um documentário: Logo ali — África do Sul. Queríamos entender o preconceito, de onde ele vem e como se perpetua. Conversamos com mais de 40 pessoas. Foram mais de 50 horas de filmagens que transformamos num longa de 78 minutos. Levou cinco anos, mas agora está pronto. Trabalhar com cultura no Brasil é penoso.

Esse documentário é o retrato de um policial que pensa. Sou fruto de um entendimento prático e acadêmico. Formado em Direito, fiz pós-graduação em segurança pública. Policial civil, tenho 15 anos de carreira, os primeiros oito operacionais. Quando você junta essas duas capacidades, entende que, se as armas fossem resolver nossos problemas, já teriam resolvido. Sempre entendi que a gente precisava achar outras saídas para o desafio que enfrentamos no dia a dia. O que precisamos é de um Estado forte, e um Estado forte não é o mesmo que um Estado ditatorial. Não é autocrático, nada disso. É o oposto. É um Estado que arrecada os tributos e entrega escolas e hospitais públicos de qualidade, segurança pública que funciona.

Fica parecendo que meu discurso é de esquerda, mas não tem nada a ver com isso. Por causa desse discurso, tinha colegas que caçoavam pelas minhas costas: o Beto não sabe se é policial, psicólogo, pedagogo ou assistente social. Na minha cara, esse questionamento não acontecia, porque participei de muitas operações e, por muitas vezes, eu era o tal “01”. O primeiro a entrar nas favelas, a tomar os primeiros tiros. Essa minha atuação garantiu minha legitimidade de fala em muitos segmentos da instituição. Como eu entrava primeiro nas operações, tinha um respeito diferente. Se fosse um policial mais ligado à parte administrativa, provavelmente não teria chegado até aqui, mas eu tinha o éthos de guerreiro.

O policial carioca é forjado no ambiente do guerreiro, a arma faz parte de seu corpo. Percebi isso desde que entrei. A cultura policial foi estabelecida dessa forma. Por vezes, quando se está numa operação, exige-se do policial uma postura direcionada ao estigma do combate. Acho que há uma influência de filmes americanos: o herói, o mocinho, essa história toda. Tropa de elite retrata um pouco disso, do que acontece e do que a sociedade espera. Quando foi lançado nos cinemas, assisti ao filme três vezes. Ele me incomodou, e não porque eu não tenha gostado. É porque o cinema tem esse poder de mexer com você. O Tropa, embora fosse uma ficção, trazia um conto de realidade que conhecemos. Ele representava bem a lógica do éthos do guerreiro do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core).

As pessoas se levantavam ao final do filme, aplaudiam, faziam alvoroço, entusiasmavam-se com aquilo. Aplaudiam o capitão Nascimento. Muitas nem se davam conta de que ele — por acaso, meu xará — era um torturador e um assassino. Isso não é uma crítica, é uma constatação. Quando me entusiasmo com esse tipo de ação, estou dizendo que tipo de policial eu quero.

Qual é a identidade que um policial deve ter? Porque devo agir de um jeito com uma pessoa e de outro jeito com outra? Se vejo um menino jovem, de pele negra, andando em uma região X da cidade, usando uma roupa X, logo devo enquadrá-lo no perfil que obriga um policial a fazer uma abordagem. Olhando para essa lógica e para o apartheid, não vejo diferença.

O que busquei na África do Sul foi um pensamento lúcido de como sair dessa crise de segurança pública. E não é fácil fazer isso. Há pessoas que aparecem com soluções mirabolantes, fáceis, principalmente na política. Ou são ignorantes, desconhecem os problemas e falam porque querem falar, ou são muito levianas. Não existe solução fácil para um problema difícil.

Conversei com brancos, e eles disseram que durante o apartheid não havia crime. Conversei com pretos, e eles disseram que durante o apartheid não havia crime. Os brancos disseram que era por causa da segregação, os pretos disseram que foi porque tiveram de deixar suas diferenças tribais de lado e se unir contra a segregação. Então entendi que a solução de nossos problemas é parar de identificar o outro pelo que nos diferencia e começar a identificá-lo pelo que nos aproxima. Para isso, é necessário um esforço de toda a sociedade.

Nelson Mandela não pegou o caminho mais fácil. Ele tomou o caminho da não vingança, que é o mais complexo. Num pedacinho de Logo ali, quando estou conversando com os presos políticos, falamos do Tribunal de Liberdade e Reconciliação, uma espécie de Comissão da Verdade do apartheid. Foi um dos mecanismos criados para que o país não entrasse numa guerra civil interminável pós-apartheid. Mandela fez um esforço significativo para que o país não adentrasse nesse ciclo de vingança.

Vejo algo muito parecido com esse ciclo aqui no Brasil. Não queremos justiça, a gente quer vingança, não é? E olha que falo de um lugar terrível, porque só neste ano foram mais de 60 policiais assassinados. Passei por um assalto em minha casa em janeiro, os bandidos descobriram que eu era policial. Considero estar vivo um milagre. Eu poderia querer vingança, mas não quero.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro é a instituição policial mais antiga de nosso país. Na chegada da família real aqui, criou-se, naquele momento, o embrião da Polícia Civil. Um ano depois veio a Polícia Militar de nosso estado, então nós temos aqui as duas instituições policiais mais antigas do país. Dom João cria, naquele momento, a defesa do povo brasileiro? Não. Ele cria sua própria defesa.

Dando um salto na história, temos as Forças Armadas tomando o poder na ditadura. Ali as polícias foram usadas para a defesa da democracia, para a defesa da cidadania? Não. Foram utilizadas para a defesa do poder.

Outro salto na história: manifestações de 2013. Sabemos que não foram pelos R$ 0,20. As polícias foram utilizadas para assegurar a livre manifestação? Muitos de nós não temos essa impressão. Muitos de nós, agentes, temos a impressão de que a polícia foi usada como força repressiva do Estado, como nos outros dois momentos. Essa crítica existe dentro da própria polícia. Os policiais pensam, sabia?

O policial que tem orgulho de disparar uma arma está adoecido. É como um professor que se orgulha de dar uma nota zero ou um médico que dá plantão torcendo para que cheguem vítimas de um acidente. O médico torce para não ter de operar. O professor dá sua aula acreditando que não vai precisar tirar um aluno de sala. Um policial não deve sentir orgulho porque disparou sua arma. Tenho certeza de que represento uma boa parte dos policiais que entendem isso.

Existe um estereótipo do policial, uma imagem preconcebida na cabeça das pessoas. Fica claro no olhar. Eu não nasci policial. Estudei numa determinada escola, fiz faculdade, ocupei determinados espaços da cidade, vi determinados filmes e pratiquei determinados esportes. Foi esse homem que foi para a Polícia Civil. Tenho uma origem negra, que vem de minha mãe, e meu pai é do Norte, tem sangue indígena. Sou pardo pela cor da pele, mas nunca me senti alvo de preconceito por minha cor. Agora, pela profissão, sim. Isso está mudando, mas pelos motivos errados. Há uma polarização: os que defendem muito a instituição policial e os que são absolutamente contrários. Não somos nem santos nem demônios. Exercemos uma função.

Participei da operação de pacificação do Complexo do Alemão. Naquele momento, fomos considerados heróis. Tacaram fogo na cidade por 30 dias, foi isso que antecipou a ocupação. Nós não somos heróis. Eu sei quem são os heróis: as pessoas que ainda hoje vivem nessas mesmas regiões, que ainda hoje se desviam das bocas de fumo para pegar ônibus lotados com marmitas embaixo do braço.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: