IBGE: desemprego é maior entre negros

Autor: Redação - Causa Operária Data da postagem: 17:00 09/01/2019 Visualizacões: 281
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Foto: Reprodução

Dados divulgados pelo IBGE, resultantes da Pesquisa por Amostra de Domicílios Contínua – Mercado de Trabalho Conjuntural, Divulgação Mensal de novembro de 2019, mostram uma pequena oscilação na taxa de desocupação no trimestre móvel setembro – novembro. A taxa de desocupação foi estimada em 11,6%  (12,2 milhões de pessoas desocupadas), oscilação de -0,5 em relação ao trimestre anterior. Essa pequena oscilação, resultado possivelmente do aquecimento natural da economia no final de ano, e por uma grande maioria de empregos temporários, foi festejado pela imprensa capitalista, golpista, como se representasse uma vitória, ainda que extremamente tímida do receituário neoliberal dos golpistas diante da crise econômica.

De frente a um quadro extremamente crítico, e que a imprensa capitalistas simplesmente dissimula, quase 12% de desempregados no país, um indicador chama a atenção: o racial. Considerando a pesquisa trimestral realizada também pelo IBGE, no terceiro trimestre Julho – Setembro (o quarto ainda será divulgado) a taxa de desocupação foi estimada em 11,9%, mas considerando o fator racial chegou a 13,8 para a população parda e 14,6 para a Preta.

Dos 12,5 milhões de desempregados de então, 52,2% eram pardos, 12% eram negros e 34,7% brancos, considerando que a participação destes grupos na força de trabalho é de 47,9% de pardos, 8,4% negros e 42% de brancos. Somando-se pardos e pretos, que configura a população negra no país, que corresponde a mais de 64% dos desempregados, quando correspondem a cerca de 56% da força força trabalho total.

Fica evidente que o desemprego e a crise econômica atinge prioritariamente a população negra do país. Obviamente que não por acaso. O povo negro é oprimido dentro e pelo Estado Nacional, esse grande contingente da população, que constitui a maioria do povo brasileiro, vive em uma situação de semi-cidadania e de superexploração, fato comprovado pelos dados.

É uma necessidade do capitalismo que é incapaz integrar grandes massas a cidadania plena, já significaria uma mudança revolucionaria na estrutura política do Estado e oneroso, valem se dos preconceitos, das divisões sociais, raciais, de gênero prévias ou inventadas por eles para com isso explorar parcelas da população mais do que outras criando uma divisão entre os explorados (tipo de ocupação e remuneração para negros e em geral inferior aos dos brancos) e, com isso, incitando o preconceito.

 

 
Curta a nóticia:
Curta o CEERT: