Festival Feira Preta 2018

Autor: Redação Feira Preta Data da postagem: 13:39 06/11/2018 Visualizacões: 1013
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Festival Feira Preta 2018 / Imagem: Reprodução - Feira Preta

Após o mega sucesso do ano passado, com mais de 20 mil pessoas lotando o evento, a Feira Preta 2018 volta ao centro de São Paulo com ENTRADA LIVRE E GRATUÍTA, nos dias 18, 19 e 20, na Praça das Artes, que fica na Av. São João, 281, ali pertinho das estações República, Anhangabaú e São Bento do metrô. 

Fiquem ligados porque vem muita coisa incrível por aí, mas se liguem no que já está confirmado! É POW atrás de POW! De novo, TUDO GRÁTIS! 

Atrações nacionais e internacionais confirmadas!

Música, slam, festa e performances artísticas.

Na Praça das Artes, Av. São João, 281, centro, São Paulo (SP)
Elza Soares + Luedji Luna
Rincon Sapiência
Flávio Renegado + Simoninha
Preta Rara
Slam das Minas - SP + The R.A.P Party (Rhythm and Poetry, do Reino Unido)
Baile Black Bom (Rio de Janeiro)
Jah!Spora (SP)
BATEKOO SP
Quebrada Queer
Dada Yute & Royal Band
Mafê (Dança)

No Theatro Municipal de São Paulo
Pça Ramos de Azevedo, s/n
Pequeno Príncipe Preto
Contos Negreiros do Brasil

Diálogos Criativos

Atrações confirmadas (mas, também vem mais por aí, aguardem!)

Reni Eddo-Lodge (Inglaterra)

Autora do livro “POR QUE NÃO FALO MAIS COM BRANCOS SOBRE RAÇA” (tradução livre), entrou na lista de best-sellers do Sunday Times e recebeu o prêmio Jhalak 2018, premiação britânica voltado para o gênero de não-ficção narrativa, além de ter sido escolhido pela Foyles e pela Blackwell como o livro do ano na categoria não-ficção. Ele também foi nominado para os prêmios Baillie Gifford, Orwell, e Books Are My Bag Readers Award. A premiada jornalista londrina também já escreveu para os jornais New York Times, Voice, Daily Telegraph, Guadian, Independent e Stylist. É vencedora do prêmio “Women of the World Bold Moves”, um prêmio da consultoria MHP direcionado a figuras promissoras, e foi escolhida como umas 30 jovens mais notáveis nas mídias digitais pelo Guardian em 2014. Escreveu para o The Good Immigrant.

Mariéme Jamme (Senegal)

Criou Accur8Africa, uma plataforma que permite que governos, empresas, empresários e sociedade civil, na África, possam medir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Foi homenageada pelo Fórum Econômico Mundial pelo trabalho de ativismo desenvolvido com meninas na África, Oriente Médio e Ásia. Atualmente é CEO da SpotOne Global Solutions e fundadora da iConscience. Nascida no Senegal, Africa, mas hoje vive em Londres.

Edna Ismail (Somália)

Fundadora e diretora do Hospital Maternidade Edna Adan Ismail e ativista reconhecida por sua longa dedicação à saúde pública e aos direitos das mulheres na África. Nascida em Hargeisa, na Somália, em 1937, formou-se enfermeira e parteira em Londres, entre 1954 e 1961, e trabalhou no treinamento de parteiras na Síria para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 1967, retornou ao seu país, quando seu marido tornou-se Primeiro Ministro da República da Somalia. De 1976 a 1978, foi a primeira mulher a ocupar o Ministério da Saúde no país. Nos anos seguintes, voltou a atuar com a OMS em programas de saúde obstétrica e ginecológica e iniciou uma campanha contra a mutilação genital feminina, em um país onde a prática ainda permanece. De 2003 a 2006, Edna integrou o governo Somalia, nas pastas de Desenvolvimento Social e Relações Exteriores.

Jude Kelly (Reino Unido)

Fundadora do Festival Women of the World (WOW), foi diretora artística do Southbank Center, em Londres, entre 2006 e 2019. Da “Royal Shakespeare Company”, na Inglaterra, ao “Théâtre du Châtelet”, em Paris, dirigiu mais de cem produções teatrais. Condecorada com o título de Comendadora da Mui Excelentíssima Ordem do Império Britânico (CBE) pelo seu trabalho em prol das artes, Kelly fundou o “Solent People’s Theatre” e o “Battersea Arts Center” e foi diretora-fundadora da “West Yorkshire Playhouse”. Em 2002, fundou a Metal, uma plataforma que apoia a transformação de pessoas e lugares por meio da arte e de ideias inspiradoras. Jude liderou a equipe de cultura britânica para os Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. Mais tarde, integrou o conselho de cultura da Olimpíada.

Artes Visuais

Sekai Machache (Escócia), na Praça das Artes
Race Cards (Reino Unido), no Instituto Tomie Ohtake

Outras atividades na Praça das Artes

YEMISI, com Juliana Luna
Nos dias 18, 19 e 20, Juliana Luna abre os trabalhos da Feira Preta com atividade que une Yoga, Identidade e Auto-Cuidado

Aulas abertas de dança

Dança Africana, com João Paulo Côrtes, no dia 18 de novembro
Ritmos Afrolatinos, com Mafê, no dia 19 de novembro
Samba Rock, com Lucas Santiago, no dia 20 de novembro

Empreendedores Negros

Feira de produtos e serviços com empreendedores negros de diferentes regiões do país. Farão parte do evento empreendedores que participaram do Afrolab, ciclo de formação técnica e criativa da Feira Preta. Vem muita inovação e tendência por aí... :-) 

E mais…

Ainda fazem parte do Festival Feira Preta outros eventos no Instituto Tomie Ohtake (GRÁTIS), Tom Brasil, Theatro Municipal de São Paulo e vários outros pontos da cidade de São Paulo. Mais informações em breve!

Programação em construção!

Fiquem ligados aqui e na fanpage Feira Cultural Preta.
Ainda vem muita coisa incrível por aí! 

*********************

17a Feira Preta

18, 19 e 20 de novembro, das 12h às 22h
Av. São João, 281, região central de São Paulo (SP), perto das estações República (linha amarela e linha vermelha), Anhangabau (linha vermelha) e São Bento (linha azul) do metrô

Programação dia 18.11 (Domingo):

14h Aulão Dança Afro com Paulo Cortes
15h30 Show Roberta Gomes – Samba
16h50 Discotecagem – Baile Black Bom
18h Baile Black Bom
21h Discotecagem Baile Black Bom

Programação dia 19.11 (Segunda-feira):

12h Yoga com Juliana Luna
13h Aula de Ritmos Afro Latinos com Mafê
14h Festa Jah!SPora – Abebe
15h30 Quintal dos Prettos
17h Festa Jah!SPora – Abebe
18h30 Renegado convida Wilson Simoninha
20h Festa Jah!SPora – Abebe
20h30 Bia Ferreira convida Preta Rara
21h30 Festa Jah!SPora – Abebe

Programação dia 20.11 (Terça-feira):

Praça da Artes

12h Yoga + Corrida Nike
13h Aulão de Samba Rock com Lucas Santiago
14h00 Discotecagem (Batekoo)
15h30 Samba de Roda – Samba da Laje
17h00 Rap Party Londres + Slam das Minas + Dj Miriam
18h Discotecagem
19h Samba de Roda – Samba da Laje
20h20 Discotecagem
20h Quebrada Queer
21h20 Discotecagem

Boulevard São João

12h Discotecagem Dj MF
15H00 Dada Yuti + Convidado
16h20 Discotecagem Easy Nylon
17h20 Rincon Sapiência
18h40 Discotecagem MF
20h00 Elza Soares com Luedji Luna
21h30 Discotecagem Easy Nylon

Theatro Municipal

12h Pequeno Príncipe Preto
15h30 Contos Negreiros

Entrada livre e gratuita

Site oficial do evento

 

Instituto Feira Preta: O que fazemos

O Instituto Feira Preta faz o mapeamento do afro-empreendedorismo no Brasil e atuamos como aceleradores e incubadores de negócios negros, além de articuladores do Black Money e promotores de educação empreendedora. As atividades do instituto estão distribuídas em todo o território brasileiro, especialmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão e Distrito Federal.

Também estamos de olho em mercados como o financeiro, alimentar, games e tecnologia, que hoje representam um novo patamar a ser impulsionado na construção de valor do empreendedorismo negro.

O expoente de maior visibilidade desta plataforma é a Feira Preta, evento anual realizado desde 2002, que reúne criadores negros de diferentes setores: arte, moda, cosméticos, gastronomia, audiovisual, comunicação, entre outros.

Os negros são uma potência criativa e empreendedora, mas o racismo estrutural no Brasil não permite que o capital chegue às nossas mãos. Para saber mais sobre isso e colaborar com o rompimento destas estruturas, entre em contato com o Instituto Feira Preta.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: