A casa grande surta quando a senzala vira médica?

Autor: Pedro Borges Data da postagem: 16:30 21/06/2016 Visualizacões: 2936
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:

Para estudantes de medicina, a resposta é simples: a Casa Grande não se conforma em dividir o mesmo espaço com negras e negros

No dia 9 de junho, quinta-feira, no Hospital Universitário Pedro Ernesto, o evento “A Casa Grande surta quando a Senzala vira médica?” pintou de preto nas mais diferentes tonalidades o anfiteatro Ney Palmeiro. A programação coloriu a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), como em poucos momentos na história da instituição.

A atividade, organizada pelo Coletivo Negrex e a Frente pela Democracia da Faculdade de Medicina, colocou em pauta o racismo dentro da formação médica e na atuação do profissional de saúde.

O Negrex é uma organização nacional de estudantes negros de medicina que recebe denúncias de discriminação racial dentro das universidades e promove eventos para enfrentar o racismo dentro das faculdades médicas.

Negrex12

Anfiteatro Ney Palmeiro recebeu negras e negros para debater o racismo

O evento

Às 9h, as movimentações tiveram início com apresentação musical da sambista Julia Rocha. As canções, com referências negras sobre o combate ao racismo, foram o aquecimento para a primeira mesa: “Racismo de Estado na Sociedade Brasileira e Estratégias de Resistência: as cotas raciais em questão”.

Thaise Matos, formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF-RJ) e professora da UERJ, foi a mediadora da conversa. Foi ela a responsável por apresentar os dois convidados, Vantuil Pereira e Tarcilia do Nascimento. Thaise é também uma das poucas professoras negras de medicina no Brasil, fator muito representativo para todas e todos presentes.

Vantuil Pereira, professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), destacou o racismo enquanto problema estrutural da sociedade brasileira e enfatizou o perigo do momento político atual do país. O avanço da agenda conservadora e a postura de Michel Temer são alertas, inclusive, à possibilidade de revogação das cotas.

Negrex54

Vantuil Pereira, professor da UFRJ

Tarcilia do Nascimento, mestre em ciências sociais pela UERJ, tem uma pesquisa detalhada sobre a política de cotas dentro da universidade, a primeira a adotar o sistema no país, no ano de 2003. Thaise apresentou o perfil deste estudante, assim como o seu desempenho quando comparado àqueles e àquelas não cotistas. Os resultados são nítidos. Alunos cotistas evadem menos e têm resultados acadêmicos iguais e, às vezes, superiores aos não cotistas.

Depois da pausa para o almoço, nova intervenção cultural serviu de anúncio ao segundo debate. Jovens rappers do grupo UR Gueto envolveram o auditório com as suas músicas, experiências pessoais e reflexões acerca do racismo.

O fim da apresentação culminou com o início da segunda roda de conversa. Denise Herdy, professora de medicina da UERJ e coordenadora há 20 anos do Grupo Com Vida, especializado em lidar com pessoas com HIV, mediou a apresentação de Jurema Werneck. Formada em medicina pela UFF-RJ, Jurema representou o movimento negro no Conselho Nacional de Medicina (2007-2012) e é integrante do grupo da Sociedade Civil da ONU Mulheres Brasil.

Negrex38

Jurema Werneck atraiu o olhar de todos presentes no auditório

Os olhos atentos de todo o auditório viram uma explicação detalhada de Jurema sobre as relações existentes entre o racismo e a saúde no país. Uma das principais referências negras no campo da saúde, ela destacou a grande mortalidade de mulheres negras no sistema de saúde e as relações existentes entre esse fato e a formação médica.

A presença e colocação de Jurema Werneck foram inspiradoras a todas e todos estudantes presentes no anfiteatro Ney Palmeiro. Além de referência no meio acadêmico, ela é um dos nomes mais emblemáticos do movimento negro brasileiro.

Conclusão do evento

O fechamento da programação ficou a cargo das integrantes do Negrex. Chegava o momento de responder: “A Casa Grande pira quando a senzala vira médica?”. A plural identidade negra na mesa de encerramento transformou-se em um discurso coeso por parte das estudantes negras de medicina. Sim, a Casa Grande surta quando a senzala vira médica, assim como quando pretas e pretos se graduam em enfermagem, direito, psicologia, jornalismo, entre outras carreiras restritas de modo histórico aos brancos.

Negrex41

Fechamento da atividade foi feito por estudantes negras de medicina

Todas as componentes da mesa fizeram questão de destacar as dificuldades de permanecer e ultrapassar as barreiras postas pelo racismo dentro da universidade. Desde a exposição racista em “concursos de beleza”, até a indicação médica nas aulas de cirurgia de que o nariz negroide é caso cirúrgico, mesmo que não haja uma explicação médica para tal medida.

O fim do encontro deixou em evidência a necessidade de enegrecer a saúde, assim como a importância de redefinir as referências nos cursos de medicina e a urgência de alterar o olhar de médicos, para melhor cuidarmos do povo negro.

Alma Preta divulgará em breve uma reportagem em vídeo e o álbum de fotos completo sobre o evento.

Leia também:

Paulo Gustavo decide refazer personagem após ser acusado de racismo: ‘Peço desculpas’

ARANHA AINDA SOFRE COM RACISMO

Jornalistas brasileiros são vítimas de agressão física e racismo na Eurocopa

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: