Tem branco no samba: Carnaval também é época de discutir privilégios

Autor: Silvia Nascimento Data da postagem: 14:00 10/02/2018 Visualizacões: 123
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Divulgação

Apesar de Carnaval ainda ser uma festa popular, quando o foco são os grandes desfiles e blocos, não é necessário se esforçar muito para notar um embranquecimento do público. Se o samba e axé são ritmos nascidos de mão negras, são as pessoas brancas que ganham destaque na mídia ao participarem dos eventos carnavalescos. Se formos falar sobre apropriação cultural dos artistas brancos que faturam milhões no carnaval com a cultura negra então, renderia uma texto só sobre isso.

A comunidade negra tem usado a Internet para provocar a reflexão sobre o que o carnaval se tornou e principalmente expor pessoas famosas ou não,  que não sabem sambar, não tem ligação com a comunidade, não são negras,  mas ganham destaque e dinheiro com a festa.

 

Samba Abstrato é uma página no Facebook repleta de flagrantes de apropriação cultural, “samba na ponta do braço”, enfim expõe aqueles tipos que não deveriam estar ali, não pela cor, mas por não ter nenhuma interação com a escola e comunidade fora do período carnavalesco numa tentativa óbvia de exposição para si próprios.

 

“Lá vem o brancão” 

No ritmo do carnaval, mas com uma letra levemente ácida, o clipe do samba”Lá vem o Brancão” do Bola 8ito  é sobre aquele cara branco, que acha que entende mais sobre questões raciais do que as pessoas negras, que racismo reverso é uma realidade e que, claro,  às vezes tudo um mal entendido.

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: