Coletivo ‘Baixada Nunca se Rende’ e Centro RIO+ lançam videoclipe ‘Ninguém Ficará Para Trás’

Autor: Redação Nações Unidas no Brasil Data da postagem: 12:00 13/09/2017 Visualizacões: 43
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Videoclipe de “Ninguém Ficará para Trás” será lançado na Internet na terça-feira (12) / Foto: Reprodução - Nações Unidas no Brasil

O coletivo aberto de músicos “Baixada Nunca se Rende”, apoiado pelo Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (Centro RIO+) das Nações Unidas, lança na terça-feira (12) na Internet o videoclipe da música “Ninguém Ficará para Trás”.

A canção é parte do EP produzido com o apoio do Centro RIO+ — do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) — e da organização da sociedade civil Agência do Bem. O vídeo será lançado nos canais do Youtube do centro da ONUdo coletivo aberto de músicos, da banda Rota Espiral e da ONU Brasil.

Trata-se do primeiro videoclipe do material fonográfico promocional composto por sete faixas lançado em maio no Cine Odeon, no centro do Rio de Janeiro.

A música composta pela banda Rota Espiral, com a participação do músico Renato Biguli (banda Monobloco) e do DJ Nino Leal, contempla temas da Agenda 2030 das Nações Unidas e expressa o imperativo da ONU de “ninguém ficará para trás”.

O projeto-piloto “Música para Avançar o Desenvolvimento Sustentável” teve início em junho e faz parte da metodologia criativa do Centro Rio+ para engajar a sociedade civil em projetos que ponham em prática a Agenda 2030 e os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) no dia a dia das pessoas.

Renato Aranha, vocalista da banda Rota Espiral e um dos compositores da música, ressalta o poder transformador do projeto para a região: “a ideia de usar o potencial da Baixada como ‘celeiro criativo’ foi muito bem-vinda por nós músicos”. “Há muito tempo produzimos por aqui a arte engajada que clama por sustentabilidade, a ONU apenas nos mostrou que a agenda do desenvolvimento sustentável tem tudo a ver com o que já produzimos por aqui há anos. Isso nos fortalece como pólo cultural e destaca nossa cidadania ativa”.

O projeto, registrado em filme pelos cineastas Christian Tragni e Juliana Spinola, já promoveu exibições do documentário “#BXD-Baixada Nunca se Rende” em diversos países como Cazaquistão, Georgia, China e Moçambique.

A iniciativa, que pretende servir de modelo nos 166 países nos quais a agência da ONU tem escritório, será oficialmente apresentada ao PNUD de Moçambique em novembro. A primeira replicação lusófona pretende ser iniciada em 2018.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: