Diaspora.Black: empreendedorismo e tecnologia contra o racismo

Autor: Cláudia Schulz Data da postagem: 18:30 09/03/2017 Visualizacões: 295
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Diaspora.Black: empreendedorismo e tecnologia contra o racismo / Foto: Afroguerrilha

Diaspora.Black surgiu para propor uma solução ao racismo que inúmeros negros e negras enfrentam e enfrentaram ao usar ferramentas de couchsurfing.

Em janeiro deste ano, participei do Favela On, que aconteceu na sede da CUFA Rio de Janeiro. O evento foi considerado a primeira maratona inteiramente gratuita de tecnologia voltada para moradores de favelas. Durante uma das mesas foi citado o Diaspora.Black como uma plataforma digital que além de prestar um serviço público de hospedagem, se tornou uma ferramenta de empoderamento da história, da cultura e da herança dos povos africanos de nosso país e do mundo.

No ar há 7 meses e traduzido em 4 línguas, a versão beta do Diaspora.Black vem sendo acessada e divulgada em diversos países, ampliando diariamente a rede de usuários e apoiadores. Diferente das plataformas de couchsurfing que encontramos na internet o Diaspora.Black surgiu para propor uma solução ao racismo que inúmeros negros e negras enfrentam e enfrentaram ao usar as demais ferramentas.

Em uma pesquisa realizada pela Universidade de Harvard com mais de 6 mil anfitriões em cinco cidades americanas (Baltimore, Dallas, Los Angeles, Saint Louis e Washington D.C.) concluiu que nomes que soavam ser afroamericanos tinham 16% menos chances de conseguir ter um pedido de reserva aceito em comparação com nomes associados a pessoas brancas.

E sabemos que não precisamos de uma pesquisa acadêmica para comprovar isso. Carlos Humberto, um dos sócios empreendedores do Diaspora.Black compartilhou uma série de situações que constrangedoras e racista. "O Diáspora surge desta inquietação, da necessidade não só da gente refletir, mas se posicionar sobre isso, Diaspora é um posicionamento" reforça Carlos.

Desde seu primero minuto de nascimento, Diaspora.Black já se tornou referencia como empreendedorismo negro e teve, logo de cara, uma forte adesão por conta da demanda existente. A ferramenta se destaca segundo seus idealizadores por 3 pontos principais:

1 - O recorte racial que colabora com a auto organização e valorização da comunidade.

2 - O modelo de como as relações de pagamento são operacionalizadas - atribuição de valor em dinheiro, atribuição de valor em escambo ou valor solidário.

3 - A valorização das histórias e reconhecimento da tradição negra local, disponibilizando maneiras dessas pessoas conhecerem a história, serviços culturais, gastronômicos, acadêmicos, entre outros.

Além de todos esses pontos, Diaspora.Black consequentemente se torna uma importante rede de proteção que orienta o que fazer, a quem recorrer e como denunciar atos de racismo nas cidades em que estão presentes.

Essas característica só reforçam a importância de soluções tecnológicas pensadas, criadas e desenvolvidas por e para os movimentos sociais. Sua vivência na luta e na construção por novos mundos possíveis, mais igualitários e humanos somanda ao uso das tecnologias empodera e amplia o alcance da voz das minorias e outros espaços-tempos.

Se você curtiu este projeto e gostaria de saber como colaborar para que ele cresca ainda mais, acesse https://benfeitoria.com/diasporablack e participe do financiamento coletivo! Assista o vídeo e confira um pouco mais sobre a plataforma! #VivaDiaspora

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: