Panteras Negras se reorganizam e marcham armados nos EUA

Autor: Por Redação (Correio do Brasil) , com agências internacionais – de Baton Rouge, EUA Data da postagem: 18:00 14/07/2016 Visualizacões: 118444
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Os Panteras Negras, reorganizados no grupo Huey P. Newton Gun Club, protestam contra a violência policial

Além dos Panteras Negras, na última década, outros grupos revolucionários têm se organizado para ampliar a resistência à ação violenta das forças policiais

Os últimos episódios de violência policial contra negros, nos EUA, levaram os Novos Panteras Negras, grupo de orientação marxista inspirado no The Black Panthers: Vanguard of the Revolution (Os Panteras Negras: A Vanguarda da Revolução), ativo na década de 1970, a marchar armados em Baton Rouge, capital do Estado da Louisiana, no Sul do país. Na última semana, Alton Sterling e Philando Castile, dois homens negros, foram assassinados por policiais brancos.

A manifestação, realizada na tarde desta quarta-feira, amplia o abismo entre a maioria branca e as comunidades negras, principalmente nos Estados norte-americanos que integraram o movimento confederado, na guerra civil que varreu o país entre 1861 e 1865. A luta contra a segregação e o racismo perdura ao longo de mais de 150 anos, com períodos de enfrentamento nas ruas das grandes cidades, a exemplo do surgimento dos Panteras Negras.

Na última década, outros grupos revolucionários têm se organizado para ampliar a resistência à ação violenta das forças policiais. Ao longo de 2014 até agora, cinco organizações paramilitares negras uniram-se sob a bandeira do grupo Huey P. Newton Gun Club, que presta homenagem no nome a um dos principais líderes dos Panteras Negras. Newton foi assassinado em 1989 na cidade de Oakland, no Estado da California.

Racismo e assassinatos

As imagens das mortes de Castile e Sterling, gravadas por celulares e amplamente compartilhadas na internet, foram o pavio que detonou a revolta na população negra que permanece nas ruas em protestos contra a violência policial, muitos deles reprimidos com truculência pelas tropas de choque. Cidades como Austin, Phoenix, Nova York, Atlanta, São Francisco e Nova Orleans, entre outras, têm percebido um número cada vez maior de protestos e de manifestantes.

Na Rodovia I-94, que atravessa Minneapolis e Saint Paul, as duas principais cidades do Estado de Minnesota, protesto em curso desde a noite de domingo paralisavam o tráfego. Com a chegada da polícia, os manifestantes tiveram que desbloquear a estrada. Ao serem desmobilizados, porém, jogaram pedras, garrafas e até restos de material de construção civil em direção aos policiais. Três integrantes das forças de segurança foram feridos.

Em resposta, a polícia fez prisões, disparou balas de borracha e jogou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Segundo a polícia, a estrada voltou a ser aberta em seguida.

Nas ruas de São Francisco, no Estado da Califórnia, centenas de manifestantes bloquearam ruas da cidade. Eles impediram a entrada e a saída de veículos da Ponte Bay, que liga São Francisco à cidade de Oakland. A polícia da Califórnia interveio em pelo menos duas ocasiões para liberar o tráfego pela ponte. Houve também protestos na região central da Califórnia, onde manifestantes bloquearam estradas.

Em Denver, capital do Estado de Colorado, manifestantes sentaram-se em frente ao prédio da prefeitura e seguem acampadas no Parque Cívico da cidade. Eles reafirmaram, nesta manhã, que seguem na ocupação do espaço público.

Na Flórida, centenas de pessoas fizeram passeata pacífica em West Palm Beach e Fort Lauderdale, ao longo do dia, como parte do movimento antirracista.

Leia Também:

Tela preta: produções independentes revelam o Brasil negro e periférico

Diálogo UBUNTU: Feminismo Negro pra quê?

 

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: