Afrofuturismo: Entrelaçando futuros

Autor: Reprodução AVON Data da postagem: 13:00 05/12/2018 Visualizacões: 164
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Afrofuturismo: Entrelaçando futuros / Imagem: Reprodução - AVON

No Afrofuturismo, o ressignificar parte da tradição para inovar. Ressignificar o presente e apresentar novas projeções de como os negros querem se ver no futuro. Ressignificar a própria existência para além das dores e, para isso, existem movimentos transformadores e manifestações dentro da comunidade negra que merecem ser evidenciados.

Pensando nisso, a Avon lança no mês que marca o Dia da Consciência Negra, uma reflexão sobre o Afrofuturismo, movimento que desenha a visão de jovens negros sobre aquilo que acreditam e desejam para suas realidades e próximas gerações.

Gravado em Paraisópolis, periferia da zona sul de São Paulo, o filme traz propostas futuristas, com uma visão atual e necessária. Dividido em cinco temas - ressignificação, ancestralidade, corpo, futuro e ubuntu, que é filosofia africana baseada no reconhecimento do ser a partir do coletivo em que está inserido -, o vídeo conta com elementos diversos para propor discussões sociais a partir de cada um dos contextos.

Os personagens usam roupas inspiradas no brilho e na alfaiataria da África, além da maquiagem, que ressalta os traços e tons de pele. Esses elementos também aparecem na música, criada exclusivamente pelo artista brasileiro JLZ, que traz a batida eletrônica do afrobeat.

O movimento cultural que surgiu na década de 60 com o propósito de conectar o passado, o místico e o primitivo, coloca pessoas negras no presente e no futuro. Com elementos hi-tech e toques da ancestralidade, o Afrofuturismo é um conceito que pensa em todas as áreas da existência humana e existência negra, afastadas de existências consideradas arcaicas.

Ele traz arte, música, dança, filosofia, política, literatura, cinema e moda em um profundo encontro entre a história - o resgate da mitologia e cosmologias africanas - e a ciência, o novo e o inexplorado. Ele existe para dizer que essas pessoas constroem tecnologias - no ponto de vista de ferramentas para transformação - tão complexas quanto qualquer outra pessoa presente.

#NOSSOAFROFUTURO

Manifesto Afrofuturismo

Hoje eu tenho o meu lugar. 
Eu me pertenço, pertenço a uma cultura, a um povo. 
A liberdade passeia entre nós. 
Porque fomos mais que correntes e dores. 
A ancestralidade é a força que nos guiou. 
Sou o futuro sonhado por eles. 
Tomamos o nosso trono. 
Hoje somos reis e rainhas. 
Meu povo ascendeu, prosperou, se multiplicou. 
Somos tão plurais, quanto individuais. 
Hoje entendo a importância do meu passado, da minha história. 
Precisei me conhecer para traçar um futuro. 
E ele já está aqui, no sorriso, na alegria, no resgate: UBUNTU. 
E que continue sendo meu futuro, nosso futuro, um afrofuturo.

Saiba mais e conheça as representantes da campanha!

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: