Jonathan Azevedo, o Sabiá de ‘A força do querer’, rebate ataque racista de internauta: ‘Se pudesse, daria um abraço nela’

Autor: Thayná Rodrigues Data da postagem: 15:00 22/08/2017 Visualizacões: 1865
Curta a nóticia:
Curta o CEERT:
Jonathan não pretende denunciar a internauta / Foto: Reprodução - Facebook - Extra

Jonathan Azevedo, intérprete de Sabiá em “A força do querer”, não se deixou abater com o ataque racista que sofreu na internet. A denúncia feita na página “Parceiros do Vidigal”, comunidade que o ator e cantor frequenta com os colegas do grupo Melanina Carioca, mostrou o comentário de uma internauta recheado de preconceito.

Sou filho adotivo de pais maravilhosos que me ensinaram muito sobre amor, compreensão e compaixão. Nasci e me criei na Cruzada São Sebastião, comunidade que fica no meio do Leblon. Então, tenho amigos de todas as raças, crenças. O que tenho a dizer para cada pessoa preconceituosa é refletir mais sobre o amor. Jamais vou fazer com o outro o que não gostaria que fizesse comigo. Não sei se essa pessoa disse isso com maldade ou não, mas só posso retribuir com muito amor, paz e luz — afirma Jonathan.

Na mensagem racista destinada ao artista, a jovem escreveu: “Me desculpem, mas papel de traficante cai muito bem para ele (...) Tenho até medo se eu ver (sic) em algum lugar público. Não faço questão de tirar selfie”.

Jonathan diz que essa não é a primeira vez que sofreu discriminação na vida, mas que nunca tomou atitude drástica. Portanto, não pensa em denunciar.

Estou vivendo um momento lindo, coisas bonitas estão acontecendo. Vou é focar no meu trabalho. Não tenho tempo de ir a uma delegacia ou denunciar a página dela. Se pudesse, daria um abraço nela e diria o quanto é bom aceitar as diferenças. Assim, fica mais fácil da vida sorrir para você. Acho que tudo que está acontecendo comigo, todo esse amor que o Brasil está me dando é porque sempre mentalizei coisas boas. Queria dizer a ela para abraçar o mundo que fica mais fácil do mundo trazer bons fluídos e abraçá-la também — filosofa.

Consciente sobre seu papel como artista, Jonathan garante que sua função é fazer as pessoas refletirem.

E isso está dando certo, porque essa discussão está acontecendo por conta desse personagem. Tenho que ser grato a meus pais por nunca terem saído do meu lado, aos meus amigos e aqueles que gostam do meu trabalho. Por que sem as pessoas que te admiram, que te desejam o bem, que emanam positividade, nada funciona — acredita o ator, que lamenta toda a situação e pondera: — Muitas pessoas que não aceitam a diferença é porque não tiveram amor e nem admiração de alguém. Coisas que nunca me faltaram. Quero desejar a todos os preconceituosos todo amor do mundo, sabedoria e muita paz.

Após a viralização do comentário racista, a atriz Hylka Maria, intérprete de Alessia, namorada do personagem de “A força do querer”, o defendeu na web:

“Venho por meio deste post lhe dar a triste certeza de que realmente você jamais encontrará com o Jonathan para uma selfie. Não porque ele se recusaria. Mas pelo fato de você vibrar numa frequência energética tão baixa, que segundo a lei da física quântica, jamais seria possivel você esbarrar com um ser de luz como o meu amigo e parceiro Jonathan. E sabe Glaucia, isso não tem a ver com cor de pele, sexo, porque ele é ator, ou está no ar numa novela das 21h na Rede Globo, não... É porque grandiosidade de caráter, de essência e de alma a gente mede pelo que está dentro e não pela casca. Te desejo luz e despertar de consciência, Glaucia. Aliás, uma luz bem parecida com a qual o Jonathan ilumina o set, a vida dos amigos dele e a casa de todo mundo que o assiste durante a novela”.

Além da companheira de cena, outros fãs e amigos escreveram homenagens ao trabalho do artista, também conhecido no meio artístico como Negueba:

“Ele está de parabéns. É um excelente ator! Muito merecido assinar o contrato”, “Ótimo ator está de parabéns foi ótimo. Que ele continue brilhando pois é muito talentoso”, “Ele é demais. Tenho várias fotos com ele e, se eu encontrar novamente, jamais perderia outra oportunidade”, “Moro no mesmo lugar que ele mora. É uma pessoa do bem”.

Curta a nóticia:
Curta o CEERT: