Abayomi, um encontro precioso

Valquíria Maria da Matta Geraldo Matos - Escola Municipal Bonfim - Juiz de Fora – Minas Gerais

Abayomi, um encontro precioso Por: Juliana de Souza Mavoungou Yade

“Encontros preciosos”

A palavra –ação Abayomi, significa encontro precioso, e a Professora Valquíria favoreceu esse encontro.

No desenvolvimento da prática, cada criança levou para casa um kit costura e junto com a família confeccionou um boneco ou uma boneca pois, quem decidiu pelo gênero foram os (as) confeccionadores (as), que também deram um nome, e uma identidade para o boneco ou a boneca. A atividade contou ainda com registros escritos e com desenhos feitos pelas famílias e crianças para narrarem suas experiências. Essa ação possibilitou a construção de saberes, práticas e relações mais afetivas além de uma maior interação da família coma criança e com a escola.

O que originou a realização desta prática, foi a reflexão que a professora Valquiria fêz sobre a própria atuação pedagógica. Nesta reflexão ela se deu conta da necessidade de trabalhar com a temática das relações raciais, de forma a evidenciar o negro como sujeito ativo na construção da sociedade brasileira.

Valquíria, com o apoio do Fapeb , proporcionou encontros preciosos às crianças e suas famílias com a cultura africana e afro brasileira, em duas turmas de Educação Infantil da Escola Municipal Bonfim, em Juiz de Fora- MG.

As crianças tiveram contato com a literatura africana e afro-brasileira e efetuaram releituras das histórias a partir de desenhos, realizaram pesquisas sobre o continente africano, produziram cartazes

O ponto alto deu-se com a reformulação de uma prática já existente na escola, a confecção de abayomis. A inovação aconteceu com o fato da família participar do projeto através da confecção de bonecos e bonecas.

O Abayomi (encontro precioso) tornou-se ponte para o fortalecimento e valorização da diversidade. Possibilitou vivências e experiências significativas com a cultura africana e afro-brasileira que gerou sorrisos, identificações consigo mesmo e com o outro.

A atuação pedagógica da Professora Valquíria resultou em uma identidade racial positivada nas crianças pequenas , e foi no encontro precioso entre a cultura africana e afro-brasileira que se pode valorizar e fortalecer a autoestima das crianças negras.


1 - Abayomi, é uma palavra da língua ioruba, um idioma da família nígero-congolesa falado em alguns países como: Nigéria, Togo, Serra Leoa. Você sabia que, no Brasil, o ioruba é utilizado como língua ritual em alguns cultos afro-brasileiros?
2 - Fundo de Apoio à Pesquisa na Educação Básica
3 - Educação infantil e práticas promotoras de igualdade racial. Disponível em: http://www.ceert.org.br/publicacoes/21/revista-educacao-infantil-e-praticas-promotoras-de-igualdade-racial
4 - A identidade racial em crianças pequenas. Cida Bento. Disponível em: www.ceert.org.br/src/pdf/maria-aparecida-silva-bento.pdf

Cultura Africana e Afro-brasileira: Construindo uma prática afirmativa da identidade étnica das crianças na Educação

Ficha da prática

Categoria: Professor - Processo Universal

Professor: Valquiria, professora na Educação Infantil - Processo Universal

Professores(as) envolvidos(as): Valquíria Maria da Matta Geraldo Matos E Andréa Rodrigues de Oliveira

Ano: 2015

Local: Escola Municipal Bonfim endereçado em R. Américo Lôbo, 1621 - Bairu, Juiz de Fora - MG, 36050-000

Resumo

Este relato apresenta um projeto desenvolvido com recursos do Fundo de Apoio à Pesquisa na Educação Básica (Fapeb/PJF), na Escola Municipal Bonfim - Juiz de Fora/MG, com duas turmas de crianças de 20 período da Educação infantil. Destacam-se neste relato três atividades consideradas mais significativas e produtivas realizadas com as crianças.

Objetivos

Construir uma prática pedagógica que promova a afirmação da identidade étnica das crianças na Educação infantil, procurando desconstruir preconceitos e estereótipos relacionados à cultura africana e afro-brasileira, de maneira a possibilitar o desenvolvimento de um trabalho que destaque o negro como sujeito ativo na construção de nossa sociedade.

Metodologia

Inicialmente o projeto foi apresentado aos pais em uma reunião, sensibilizando-os a colaborar e participar de todo o processo durante o ano. Fizemos também pesquisas e trabalhos na internet, contações de histórias africanas e afro-brasileiras, com sua localização em mapas e no globo terrestre. Utilizamos diversos equipamentos, tais como: câmera digital, filmadora, DVD, Data Show e demais materiais pedagógicos, a fim de se realizar um trabalho prazeroso e significativo.

Principais atividades desenvolvidas

Destacamos aqui três experiênciasque consideramos mais significativas: a releitura do livro "Tudo bem ser diferente" de Todd Parr, o Projeto dos Bonecos e a Oficina de bonecas Abayomis. Na releitura do livro confeccionamos um livreto com fotos e frases sugeridas pelas crianças. Já no Projeto dos Bonecos cada semana uma criança levava o boneco para casa, juntamente com um kit costura, lá ele era caracterizado e com o auxílio da família, registrava-se no diário de bordo da turma todo o processo. Na oficina de bonecas Abayomis, os familiares puderam interagir com as crianças e com a escola, construindo saberes, práticas e relações mais afetivas. Esta oficina simbolizou o verdadeiro significado da palavra da língua yorubá Abayomi, (Abay encontro, omi precioso).

Resultados alcançados

Dentre os resultados alcançados, pudemos observar a desconstrução da imagem negativa do africano como povo bárbaro, primitivo e sem cultura. Bem como experiências e vivências significativas com a cultura africana e afro-brasileira, além de aproximar família e escola, promovendo ações afirmativas ao trabalhar a história africana através de sua literatura em diálogo com pais e crianças. Observamos a melhora da autoestima das crianças por meio da valorização da cultura afro-brasileira e da estética negra.

"Vi, nos olhos dela (Clara) o orgulho e a felicidade de estarmos juntas naquele momento. O projeto de vocês englobou muitas coisas: emoção, carinho, companheirismo, união, afetividade e acho que o mais importante foi ter passado para as crianças com muita simplicidade a importância dos valores e o respeito pelas etnias".(Luciana Ventura, mãe de Clara Ventura, no relato sobre a oficina de Abayomis)

Fotos/Imagens acervo do Professor(a) Valquíria Maria da Matta Geraldo Matos

Fórum

Você acabou de visitar uma boa experiência de um(a) professor(a) ou equipe gestora sobre Educar para a Igualdade Racial e de Gênero.

Avatar Shirley

Shirley Santos Postado em 09/06/2017

Deseja interagir com outros(as) educadores(as) sobre esta prática/experiência? Ou sobre a sua prática/experiência em sala de aula ou gestão?

Refletindo sobre a prática

8 - Relações interpessoais conflituosas entre: