Educando crianças pequenas para valorização da diversidade

Betânia Araújo e Anali Emandes Felicetti Pavani - Centro de Educação Infantil Helena Iracy Junqueira - Jabaquara – São Paulo - SP

Educando crianças pequenas para valorização da diversidade Por: Juliana de Souza Mavoungou Yade e Shirley Santos1

“E cada qual no seu canto...”
(A Banda – Chico Buarque)

Ao assistir o vídeo, vem à lembrança o trecho da música “A Banda” de Chico Buarque - “E cada qual no seu canto. Em cada canto uma dor” - pois a Profa. Betânia narra sobre uma criança negra com menos de 3 anos de idade que antes do projeto “estava sempre de canto... Era a mais retraída... sempre de cabeça baixa.”

O fato de estar sempre no canto a deixava ensimesmada, com um olhar tristonho que pouco interagia ou reagia, pois o estar no canto gerava o sentimento de inferioridade. Esta situação vivida pela menina negra e por outras crianças da escola provocou Betânia a trabalhar o tema das relações raciais. Ela o fez por meio de teatro com bonecos, confecção de bonecos e bonecas Abayomi, contaçäo de histórias africanas e afro-brasileiras. Betânia trabalhou com arte africana e afro-brasileira e desenvolveu atividades envolvendo autorretratos que focalizavam a identidade. Contou com ampla participação das famílias, que respondiam positivamente às atividades enviadas semanalmente para as casas das crianças.

Outro ponto importante da prática realizada por Betânia foram as formações promovidas pela Rede Municipal de Ensino e dirigidas a educadoras/es, funcionários/as, pais, famílias e comunidade em seminários, palestras e cursos sobre a temática da igualdade racial.

Há que se destacar a importância desta experiência realizada com crianças pequenas através da Educação Infantil , etapa da educação básica que deve contribuir e proporcionar às crianças um desenvolvimento pleno, que auxilie na compreensão de si e do outro; contribua na construção de conceitos, no desenvolvimento de habilidades cognitivas, metacognitivas e emocionais; e possibilite às crianças a percepção de estarem integradas ao meio em que vivem , condição oposta à de “estar no canto”. Torna a escola um ambiente acolhedor para todas as crianças, favorece a aprendizagem, a permanência na escola e o desenvolvimento pleno.

Assim é que o impacto deste tipo de prática na vida das crianças negras fica evidente no comentário de Betânia “ela começou a se valorizar”, o que nos leva a destacar a visibilidade e a valorização da identidade da criança negra, como alguns dos resultados desta prática.


1 ‐ Doutora em Educação e consultora do CEERT; Psicóloga e gestora de projetos do CEERT
2 ‐ “E cada qual no seu canto/Em cada canto uma dor/ Tudo tomou seu lugar/ Depois que a banda passou” – A banda (1966), Chico Buarque.
3 ‐ BENTO. Maria Aparecida Silva. A Identidade Racial em Crianças Pequenas. In: Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais / Maria Aparecida Silva Bento, organizadora. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - CEERT, 2012. Disponível em: www.ceert.org.br/src/pdf/maria-aparecida-silva-bento.pdf
4 ‐ Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, 1998. Disponível em: portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf
5 ‐ Trecho baseado no Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, Vol. 2 – Formação pessoal e social.

Ética e cidadania com teatro de bonecos — educando para a igualdade

Ficha da prática

Categoria: Escola ‐ Processo Universal

Professor: Betânia Araújo - Educação infantil

Professores(as) envolvidos(as): Anali Emandes Felicetti Pavani como coordenadora pedagógica e toda(o)s/a(o)s demais funcionária(o)s/as da Unidade Escolar.

Ano: 2015

Local: No Centro de Educação Infantil Helena Iracy Junqueira, cidade de São Paulo, bairro Jabaquara. Bairro que no passado foi um importante reduto de população negra que fugia da escravização, chegando a ser reconhecido como quilombo. No mesmo bairro, está localizado o Axé Ile Obá, o primeiro terreiro de candomblé tombado na cidade de São Paulo pelo Conselho de Defesa do Patrimônio, Histórico, Arqueológico e Artístico (CONDEPHAAT) e a casa Sítio da Ressaca que abriga o Acervo da Memória e do Viver Afro-Brasileiro, em São Paulo.

Resumo

Como formar crianças que respeitem a diversidade étnico-racial e o multiculturalismo do povo brasileiro? Este questionamento sempre apareceu em nossas discussões, e na busca por esta resposta encontramos um caminho incorporando em nosso dia a dia práticas que transformam socialmente a primeira infância, ao valorizarem positivamente a diferença, dissociando-a sempre da inferioridade. Nossa missão é desenvolver com nossas crianças uma cultura de respeito recíproco, cultivando relacionamentos harmoniosos entre todos os grupos raciais, étnicos e religiosos.

Objetivos

Desenvolver valores éticos e morais e de cidadão pleno de direitos e deveres por meio da utilização do teatro de bonecos; Construir a identidade e o juízo moral da criança com base na justiça social, na igualdade racial e na felicidade para cada um e todos os seres humanos, respeitando as diferenças e sempre as dissociando da inferioridade.

Metodologia

A metodologia utilizada é pautada nos desejos das crianças, famílias e educadores/as. Baseamos nosso trabalho no diálogo, nas relações saudáveis, sempre valorizando as vozes, tanto das crianças e famílias quanto dos/das educadores/as.

Principais atividades desenvolvidas

Apresentação de peças com teatro de bonecos com o tema diversidade étnico-racial. Confecção de bonecas(os) pertencentes a diferentes etnias e bonecas Abayomi. Mediação de leitura e contaçäo de histórias africanas e afro-brasileiras; Arte africana e afro-brasileira. Heróis negros. Identidade – autorretrato. Participação das famílias nas atividades enviadas semanalmente para casa. Envolvimento das famílias no projeto e eventos da Unidade. Encontros de formação com educadoras/es, pais, famílias e comunidade. Visitas ao Museu Afro-Brasil e ao Centro Cultural Jabaquara. Participação dos/as funcionários/as em diversos seminários, palestras e cursos promovidos pela Rede Municipal de Ensino com a temática Igualdade racial e de gênero, Mostra Cultural.

Resultados alcançados

Envolvimento das crianças, famílias e educadores/as nas ações e eventos com relevante participação da comunidade. Superação de muitas práticas e visões preconceituosas; construção de intervenções e atitudes no combate ao racismo. Crianças, famílias e educadores/as demonstrando maior valorização de suas raízes e respeitando as diferenças. Os principais resultados não são mensuráveis, pois foram observados em sensíveis mudanças de falas, posturas, toques e olhares.

Fotos/Imagens acervo do Professor(a) Betânia Araújo e Anali Emandes Felicetti Pavani

Fórum

Você acabou de visitar uma boa experiência de um(a) professor(a) ou equipe gestora sobre Educar para a Igualdade Racial e de Gênero.

Avatar Shirley

Shirley Santos Postado em 09/06/2017

Deseja interagir com outros(as) educadores(as) sobre esta prática/experiência? Ou sobre a sua prática/experiência em sala de aula ou gestão?

Refletindo sobre a prática

8 - Relações interpessoais conflituosas entre: