O pensamento africano no século XX é tema de evento gratuito no SESC

Curta a agenda:
Curta o CEERT:

Ínicio: Quarta, 26 de Abril de 2017
Término: Quarta, 26 de Abril de 2017
Local: Centro de Pesquisa e Formação do Sesc: 4º andar., R. Dr. Plínio Barreto, 285 - Bela Vista, São Paulo - SP, 01313-020


Ao longo dos séculos XIX-XX, durante os períodos da colonização europeia, descolonização e reorganização das sociedades africanas, diversos intelectuais nascidos na África apropriaram-se de um vasto conjunto de referenciais teóricos, conceituais e metodológicos, empregando-os para expressar a posição de seus coetâneos em relação ao mundo. O livro O pensamento africano no século XX (Editora Outras Expressões), apresenta uma introdução aos debates desenvolvidos por intelectuais consagrados na luta pela autodeterminação dos povos africanos, no combate ao etnocentrismo e ao racismo, na proposição de alternativas para a justiça social e a democracia em seus respectivos países.

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc realiza, no dia 26 de abril, um bate-papo com o organizador do livro, José Rivair Macedo e o doutor em História da África, Muryatan Barbosa sobre o tema do livro.

Os assuntos tratados dizem respeito aos problemas comuns que afetaram os africanos durante o período colonial (que deram origem aos ideários do pan-africanismo e da negritude), durante o período da descolonização (com alternativas revolucionárias para a libertação nacional e a reorganização social, econômica, política e cultural) e durante o período pós-colonial (quando o problema passou a ser a gestão interna dos recursos disponíveis, a superação do legado colonial e a distribuição do poder político-econômico).
Alguns intelectuais estudados participaram ativamente da história política, liderando movimentos de libertação e ajudando a criar nações (Frantz Fanon, Amilcar Cabral), outros alcançaram a posição de chefes de Estado (Léopold Sédar Senghor, Kwame Nkrumah).  Também são analisadas obras de filósofos (Marcien Towa, Paulin Hountondji, V. Y.Mudimbe, Severino Ngoenha), historiadores (Joseph Ki-Zerbo), escritores (Wole Soyinka) ou cientistas sociais  (Cheikh Anta Diop, Achille Mbembe) que ganharam notoriedade ao propor explicações sobre a condição dos africanos no cenário internacional, sobre as alternativas encontradas por eles para criar instituições políticas e sociais modernas, rompendo ou não com as formas tradicionais de organização vigentes em todo o continente.

Com José Rivair Macedo é doutor em História Social pela FFLCH-USP e pós-doutor em História pela Universidade de Lisboa. Docente no Departamento de História da UFRGS. Atualmente é coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos da UFRGS, e da Rede Multidisciplinar de Estudos Africanos do Instituto Latino-Americano de Estudos Avançados da UFRGS.
Com Muryatan Barbosa é doutor em História da África pela FFLCH-USP. Foi pesquisador visitante na Universidade de Harvard e consultor da UNESCO-Brasil para o Programa Brasil-África. Docente do Bacharelado em Ciências Humanas e do Bacharelado em Relações Internacionais da UFABC.

O pensamento africano no século XX

Dia 26 de abril de 2017, quarta, das 19h às 21h30.

Recomendação etária: 16 anos. Número de vagas: 30

Grátis – mediante inscrição.

Informações e inscrições pelo site (sescsp.org.br/cpf) ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo.

Centro de Pesquisa e Formação do Sesc
Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar.
Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 22h. Sábados, das 9h30 18h30.

Tel: 3254-5600

Curta a agenda:
Curta o CEERT: